[Filme] A Primeira Noite de um Homem, por Mike Nichols

Após se formar na faculdade, Benjamin Braddock (Dustin Hoffman) retorna para casa, completamente indeciso quanto ao seu futuro. Em meio à festa de recepção, uma amiga de meia-idade de seus pais (Anne Bancroft) pede para que o garoto a leve pra casa, somente para seduzi-lo assim que eles chegam à residência. Os problemas só aumentam quando Benjamin se interessa pela filha dela, a bela Elaine Robinson (Katharine Ross).

O momento de transição da juventude para a vida adulta é o fio condutor desta deliciosa e importante comédia dirigida por Mike Nichols, que teve papel fundamental na história do cinema na época de seu lançamento ao abordar um tema corajoso para o período.

A primeira oportunidade que aparece na sucessão de seu processo de libertação e de encontro consigo mesmo ocorre quando é seduzido por Mrs. Robinson. É, também, a primeira experiência sexual de Ben, repleta de cobranças, exigências e imposições. Mrs. Robinson como adúltera é altamente impositiva e manipuladora, mas é através dessa experiência que ele descobre o que não quer e encontra o que quer. De quebra, nessa parte do filme o diretor faz crítica demolidora à família americana, onde impera as aparências, o desamor e o formalismo.

Mas a libertação do personagem das amarras sociais – e a afirmação de sua liberdade pessoal – é um processo alimentado pela energia cuja fonte é o sentimento de amor que nutre por Elaine, filha de Mrs. Robinson. Esse amor aos poucos vai se manifestando como livre de todas as imposições sociais. Na verdade, ele se confirma apesar delas.

O filme, de 1967, traz as marcas do momento em que foi produzido: jovens lutando contra entraves sociais e pela auto-afirmação.

Por Maria Cláudia Brasil.

[Filme]Tenacious D in The Pick of Destiny, por Liam Lynch

Image

Tenacious D é uma banda de hard rock americana formada por Jack Black e Kyle Gass em 1994, na Califórnia. Em 2006, estrelou, e gravou a trilha sonora, para o filme Tenacious D in The Pick of Destiny , o fictício início do mesmo começa mostrando um garoto JB descobrindo o rock mesmo que seus pais não concordem.Image

Querendo realizar seu sonho de tornar-se rock star, ele foge para Hollywood, onde conhece o arrogante músico KG, e logo sua estrada começa a mudar de direção. Elesse tornam grandes amigos e iniciam uma jornada ao sucesso da banda, com descobertas, fugas e diversas encrencas.

Image

O filme garante risadas até os créditos finais, devidamente pontuados por uma derradeira canção, as músicas são apresentadas de forma teatral, Black no vocal e Gass no violão.O filme apresenta uma fusão de comédia absurda e vulgar. Suas canções tem como temas a puberdade da dupla e proezas sexuais, bem como a sua amizade e a busca pelo Rock N’ Roll.

Por Mayra Morfório

[Filme]Orgulho e Preconceito, por Joe Wright

Image

Foi lançado em 16 de setembro de 2005 no Reino Unido, e em 10 de fevereiro de 2006 no Brasil, e foi indicado em quatro categorias no Oscar. O filme se passa na Inglaterra, 1797, se inicia com a história das cinco irmãs Bennet – Elizabeth (Keira Knightley), Jane (Rosamund Pike), Lydia (Jena Malone), Mary (Talulah Riley) e Kitty (Carey Mulligan), foram criadas por uma mãe (Brenda Blethyn) que tinha o sonho de encontrar maridos que garantissem o futuro de suas filhas e o dela.

ImagePorém Elizabeth tem o desejo de ter uma vida mais ampla do que apenas se dedicar ao um marido, sendo apoiada pelo pai (Donald Sutherland). Quando o sr. Bingley (Simon Woods), um solteiro rico, passa a morar em uma mansão vizinha, as irmãs logo se mostram interessadas.Image

Jane logo parece que conquistará o coração do novo vizinho, enquanto que Elizabeth conhece o bonito e esnobe sr. Darcy (Matthew Macfadyen). Os encontros entre Elizabeth e Darcy passam a ser cada vez mais constantes e intensos, apesar de conturbado e sempre discutirem.

Por Mayra Morfório

[Filme] Na estrada, por Walter Salles

É um filme de 2012, dirigido por Walter Salles, inspirado no Romance de Jack Kerouac, que conta história de um jovem escritor Sal Paradise (Sam Riley)com sérios problemas de bloqueio criativo, que leva uma vida intensa e boêmia com outros jovens. Aos 18 anos de idade tem a vida redefinida com a chegada de Dean Moriarty (Garret Hedlund), um jovem rapaz destemido, desprendido da vida, que adora viajar pelo país, com sua namorada de 16 anos Marylou (Kristen Stewart).

Image

Juntos, Sal e Dean cruzam os Estados Unidos em busca da última fronteira americana e à procura de encontrar eles mesmos, se libertam de qualquer conformismo conservador de sua época para seguir seus próprios caminhos.

Image

A viagem é marcada por drogas, situações inusitadas, autodescobrimento e a sexualidade de seus personagens que é exposta com muita clareza. A figura de Dean é completamente desprendido e apaixonante, apesar de todas as suas falhas, e que pode ser observado com facilidade na figura das mulheres que ele conquista, em especial Marylou, sua paixão de anos da qual ele se recusa a abrir mão, e Camille(Kirtsen Dunst), aquela que o convence a tentar uma vida “normal”.

Image

Afinal, Dean é o grande foco do filme e da vida de Sal, como ele mesmo admite, sempre se posicionando as escuras e tendo uma sensação de vazio quando está longe do amigo. O filme deixa o expectador extasiado e impressionado, pelo fato de amigos colocarem o pé na estrada, sem nenhuma ligação com o mundo externo, se relacionando com todos os tipos de pessoas, vivendo dificuldades, tentando superar desafios, mas sempre juntos, e passam por tudo até conseguirem encontrar a si mesmos.

Image

Por: Débora Brandão

[Filme] Onde Vivem os Monstros, por Spike Jonze

Onde Vivem os Monstros é uma adaptação do popular livro infantil escrito por Maurice Sendak. Segue as aventuras de Max, um garoto travesso que é mandado de castigo para seu quarto depois de desobedecer a mãe. Porém, a imaginação de Max está livre para voar, e logo o transporta para um reino desconhecido. Encantado, Max parte para a terra dos Monstros Selvagens, onde as travessuras são lei, e Max é o rei.

Max foge de sua casa , correndo entre a cidade para fugir de seus problemas, onde encontra um barco que pode ser visto como seu “acesso ao inconsciente” que o leva a uma pequena ilha onde encontra Monstros brigando por suas casas desconcertadas.

Max faz amizade com Carol, o monstro com o que mais se afeiçoou,  e os dois constroem uma grande e bonita relação.  Vivem grandes aventuras em meio a pequenos conflitos, que são sempre associados ao ego de Max e a relação de ciúmes e conflitos que ele tem com a mãe e a irmã.

Aos poucos percebemos que cada monstro na verdade reflete um traço específico de sua personalidade, Max acaba se envolvendo em problemas com cada um deles e tenta fugir daquele que aparentemente reflete o seu pior traço pessoal, ironicamente o mesmo que o levou a fugir de casa: a insegurança e carência de atenção. Vemos então Max tendo que enfrentar seus próprios problemas pessoais personificados nos monstros criados em sua imaginação.

Este filme traz uma alta mensagem simbólica e carga dramática em seu enredo. A  psicologia atua do começo ao fim deixando a mensagem de que o mundo não é  sempre como queríamos que  fosse, porém temos que compreender nossos monstros, e trabalharmos juntos com eles para que juntos podermos vencer nossos medos e frustrações.

Por Maria Cláudia Brasil.

[Filme] Intocáveis, por Eric Toledano e Olivier Nakache

Intocáveis é um filme de 2012, dirigido por Eric Toledano e Olivier Nakache, é um retrato de como alguém pode ajudar um outro mesmo que as condições sejam, de princípio, quase impossíveis. Philippe é um homem extremamente rico e culto que devido a um acidente ficou tetraplégico. Driss um jovem, que vive em condições precárias e que já cometeu atos que o levou preso por seis meses. Duas pessoas de mundos diferentes, de culturas diferentes, que se encontram e fazem desse encontro algo enriquecedor para a vida de ambos. Afinal, apesar de serem de mundos tão distintos são do mesmo gênero: humano.

Image

Driss é contratado por Philippe para ser seu assistente pessoal, cuidando de suas necessidades básicas e o ajudando em determinadas tarefas que são impossíveis para um tetraplégico. Apesar de inicialmente Driss nem estar interessado nesse trabalho e não ser nada indicado para cuidar de alguém com uma condição tão frágil, Philippe decide dar ao rapaz uma chance. Essa chance dada não foi porque ele viu um potencial no jovem ou por caridade, mas simplesmente porque Philippe estava cansado de ser tratado de forma “cuidadosa”, como se ele fosse quebrar a qualquer momento. Driss o tratava normalmente, falava com ele fazendo piadas e muitas vezes até esquecia a sua real condição física. Isso fazia com que Philippe se sentisse mais humano e mais vivo.

Image

Já Driss, com sua espontaneidade e, ás vezes, inocência, conquista seu empregador e outras pessoas da casa, e com isso aprende a ter outros pontos de vista e ver a vida de uma outra forma. Antes ele se encontrava perdido e com muita frequência estava envolvido em confusões. A partir da convivência com Philippe ele mudou completamente e passou a pensar de outra maneira. Não se trata de um filme onde um salva o outro ou onde um ensina ao outro lições, mas fala do encontro de dois seres sofredores que aprendem um com o outro e que passam a se amar.

Image

As verdadeiras aprendizagens da vida não acontecem através dos estudos e da intelectualidade, a boa aprendizagem ocorre através da qualidade dos relacionamentos. Só se relacionando, que alguém tem a chance de vir a se tornar humano. No filme esses dois homens estavam carentes e não de uma situação física melhor ou de condições financeiras melhores, mas carentes de um encontro real, onde um possa se construir a partir do que é vivido com o outro.

Image

A história desse filme não é ficcional, mas baseada em fatos verídicos. Até hoje esses dois mantêm contato porque o que começou como apenas uma ligação profissional se tornou algo afetivo. Eles tiveram a coragem de se entregar a esse encontro inusitado e que muitos jamais acreditaram ser possível. Da ousadia de experimentar um encontro os dois saíram transformados para melhor. Aliás, esse deveria ser objetivo de qualquer encontro: a transformação para melhor.

Trailer

Por: Débora Brandão

[Filme] Clube dos Cinco, por John Hughes

O filme retrata cinco adolescentes que, por castigo, tem que passar um sábado inteiro na escola e compor uma redação de mil palavras sobre “quem eles são”. Porém esses adolescentes são de grupos e personalidades diferentes. Tem o aluno rebelde, a patricinha, a esquisita, o atleta e o CDF.

Um trecho de uma música do David Bowie inicia o filme:  “E essas crianças em que vocês cospem, enquanto elas tentam mudar o mundo delas, são imunes aos seus comentários. Elas sabem muito bem o que está acontecendo”.

Os cinco estudantes, que parecem ter nada em comum à primeira vista, se reúnem na biblioteca da escola, onde são vigiados e ordenados pelo Sr. Vernon a não falar ou se mover. Os alunos passam as horas de variadas maneiras.  Aos poucos, eles se abrem uns com os outros e revelam seus segredos internos. No decorrer da história as barreiras são quebradas. Eles percebem que apesar de serem tão diferentes, também tem muito em comum.

Eles descobrem que todos eles têm relações tensas com os pais e têm medo de cometer os mesmos erros que os adultos à sua volta. Quando eles se sentam e começam a falar dos seus problemas, as pressões da vida de adolescente e o que os levaram a cumprir o castigo naquele sábado, forma-se um clube. O clube parece agregar os cinco, como se todos os problemas fossem um só, quebrando a resistência que gerava as barreiras.

A pedido e do consenso entre os alunos, Brian (o CDF da turma) é convidado a escrever o texto pedido pelo Sr. Vernon.  Brian faz isso, mas em vez de escrever sobre o tema real, ele escreve uma carta muito motivadora que é, em essência, o ponto principal da história. Ele assina o ensaio como “The Breakfast Club” e deixa na mesa do Sr. Vernon para ele ler quando eles saíssem da detenção.

É considerado um dos maiores filmes de ensino médio de todos os tempos, bem como uma das obras mais memoráveis ​​de Hughes. O filme se tornou um clássico cult, uma obra que define a década de 1980, e teve uma enorme influência sobre a vinda de muitos dos filmes do gênero, desde então.

Por Maria Cláudia Brasil.